Contato: 41 3908 8448 / 47 99928 7279 LIVRO GRATUITO: EFICIÊNCIA PARA EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS

7 Dicas essenciais para uma fachada sustentável (e bonita!)

Fachada x Sustentabilidade

Como sabemos, uma fachada é o belo cartão de visita de uma residência para seus usuários. No entanto, ela pode ser também agradável ao microclima e toda a cidade que está ao seu redor, ajudando a prevenir as famosas Ilhas de Calor. Além de morarmos em uma casa com mais qualidade interna e pouparmos dinheiro a longo prazo, podemos também dar uma bela ajudinha para a sociedade se utilizarmos dos elementos corretos logo na fase inicial de projeto.

A seguir estão 7 dicas simples que irão tornar sua fachada além de bonita, sustentavelmente responsável:

  • Solicite do seu arquiteto estudos iniciais de insolação de fachada considerando a posição geográfica, sentido dos ventos, os materiais, aberturas distintas e as oportunidades de ganhos diretamente na fonte. Os maiores benefícios sustentáveis estão justamente nessa fase! Existem uma infinidade de softwares que fazem simulações, como o Energyplus, Equest, entre outros utilizados pela indústria. Apesar de não ser ainda um procedimento muito fácil de se realizar ou comum nos escritórios de arquitetura a tendência é que ele se propague nos próximos anos, principalmente com a nova versão 4 do LEED que possui o crédito de Processo Integrativo que incentivam os ensaios de fachada.
  • Peça para o seu arquiteto utilizar materiais com nível de SRI de pelo menos 0,28 nas fachadas e envelhecimento de 3 anos. Caso não possua na listagem do revestimento a informação sobre esse envelhecimento, busque materiais com pelo menos 0,33 para a instalação. Brises, fachadas ventiladas e vidros com alta refletância também são bons amigos. Isso ajudará a manter o clima mais ameno dentro da sua casa, diminuindo a necessidade do uso de ar condicionado.
    fachada

    Indicativo de cores com o SRI para aplicação em fachadas.

     

  • Forneça sombra para a fachada e o entorno com elementos estruturais ou arquitetônicos. Eles também devem possuir um nível aceitável de SRI conforme o item citado acima. Plantas também são ótimas para fornecer sombras sobre a fachada ou áreas pavimentadas. É necessário naturalmente priorizar plantas que gerem sombra a curto prazo, e evite relva artificial ou plantas que consumam água em excesso.
  • Fornecer sombra por estruturas que geram energia, como as famosas placas fotovoltaicas ou turbinas de vento também são válidas.
  • No caso dos telhados (explicado rapidamente nesta postagem) a exigência de SRI é consideravelmente variável, como podemos ver na tabela abaixo indicada pelo Guia de Referência LEED:

Índice solar mínimo de refletância, considerando a inclinação de telhado:

Telhado pouco inclinado (<16%): SRI Inicial: 82 | SRI Envelhecido:64
Telhado Íngreme (>16%): SRI Inicial: 39 | SRI Envelhecido: 32
  •  Utilize um sistema de pavimentação das áreas ao redor da fachada pelo menos 50% permeável, diminuindo as superfícies que absorvam calor e as repassem para o entorno.
  • E por último, grandes áreas de telhados verdes contribuem em vários níveis para a diminuição do consumo energético além de alguns créditos no caso da busca de uma Certificação LEED, como por exemplo o crédito de Redução de Ilha de Calor, Redução de Uso de Água Externo, Gerenciamento de Água da Chuva e Otimização da Performance Energética.

Superfícies escuras e não refletivas em fachadas, estacionamentos, estradas, telhados e calçadas absorvem o calor solar e radiam o aquecimento, criando as ilhas de calor. Áreas urbanas podem gerar temperaturas de até 12 graus acima das áreas rurais. Um estudo das superfícies resultantes da rápida urbanização no leste da China encontraram ilhas de calor responsáveis por 24,2% do aquecimento regional!

As Ilhas de calor possuem diversas consequências negativas: plantas e animais sensitivos a mudanças de temperatura podem encarar o ambiente como inóspito, facilitando a migração ou mesmo sua própria morte. A saúde humana pode também sofrer pois a exposição de poluição das ruas é geralmente maior em locais afetados pelas ilhas de calor. Elas provocam também o aumento da utilização de ar condicionado no verão, necessitando de equipamentos maiores e por consequência mais eletricidade, aumentando os custos, as emissões de gases de efeito estufa e gerando no final ainda mais poluição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VERIFIQUE NOSSA DISPONIBILIDADE

Insira seu nome, telefone e email e nós retornaremos em até 24 horas.

Obrigado pelo contato. Retornaremos em até 24 horas por telefone.